Pesquise aqui...
TOP
Uncategorized

Por que o corpo da Kim Kardashian incomoda tanto?

Provavelmente você já deve ter
ouvido falar sobre a Kim Kardashian. Gostando ou não, você com certeza já viu o
nome dela pipocar por aí. Eu adoro a Kim. E não escondo isso, mesmo que muitas
pessoas ainda não entendam o porquê da família fazer sucesso. Tendo motivo ou
não, acho importante olhar a Kim (e todas as Kardashians/Jenners) por um ângulo
que pode ajudar muitas outras mulheres: a aceitação e admiração pelo próprio
corpo.
Kim não tem vergonha das suas
curvas. Ela as mostra o tempo todo. Sendo com roupas super justas ou com a
falta delas, totalmente nua. Nesta semana ela mostrou isso mais uma vez. Postou
uma selfie como veio ao mundo (com tarjas para que o Instagram não a
bloqueasse) e, claro, recebeu críticas em cima disso. Você deve estar se
perguntando aí: tem necessidade dela por postar foto desse jeito? Aí eu te
rebato: e tem necessidade de você criticar? Você, mulher especialmente, a critica
porque realmente achou feio ou porque a sociedade te ensinou a ter vergonha e
esconder o próprio corpo para não ser taxada de forma pejorativa? E você homem que
a taxa como “puta” e a critica por ter ficado “conhecida” por meio de uma sex tape,  tudo bem se animar com pornôs e querer nudes das meninas
que você fica? Se for escondidinho na sua pasta do Whatsapp, é legal, mas publicamente é vergonhoso?
Desde pequenas nós fomos
ensinadas que mostrar os nossos corpos era uma coisa ruim. Não pode decote
profundo demais e saia muito curta nem pensar. E aí de você se gravar um vídeo
íntimo e ele cair na internet. Acabou sua vida! Na verdade, nem precisa ser
vídeo não… Uma fotinha inocente do seu peito ou da sua bunda já é o
suficiente para que você não possa nem sair na rua. A gente esconde o nosso
corpo. Na maioria das vezes por medo. Eu mesma não pego ônibus com roupa curta,
apertada ou decotada. E eu aprendi a amar muito meu corpo, mas não pego porque
tenho medo, porque a gente foi ensinada que não é certo valorizar, amar e
mostrar o nosso corpo. E que se acontecer algo com a gente, em caso de assédio
e/ou estupro, a nossa escolha de vestimenta será a culpada. 
Aí vem a Kim e quebra a internet
diariamente, seja equilibrando uma taça na bunda ou mostrando que vestido justo
é, sim, para quem tem curvas para dar e vender. Ela não tem corpo padrão, de acordo com a sociedade em geral, mas
foi com ele que ensinou ao mundo que o padrão Kim Kardashian merece tanta
atenção quanto o Gisele Bündchen. Por que criticá-la ao invés de ver o quanto
isso tudo é libertador? A gente precisar amar os nossos corpos. Se você quiser,
faça, sim, um ensaio nu, por quê não? Se você quiser, bota um vestido embalado
à vácuo e saia por aí. Não precisamos ter vergonha de gostarmos de nós mesmas.
Vejo essas críticas à Kim e penso: por que se gostar é uma afronta para as
pessoas? Por que ter autoestima e gostar do que se vê em frente ao espelho
incomoda tanto?
A gente precisa deixar essa
prática de “body shaming” pra lá. Praticamos, eu inclusa, muito no passado,
mas como eu disse no Snapchat ontem: ainda bem que o mundo mudou e que muita
gente está aprendendo e seguindo este fluxo. Vamos fazer o que a gente quiser
com os nossos corpos e não vamos ter vergonha disso – independentemente do
número que está na etiqueta das suas roupas. 
Não sei se a Kim tem noção do
quanto essas atitudes dela emponderam outras mulheres. Para um grupo de
critica, tem milhares que apoia (sim!). Ao se criticada publicamente por Bette
Midler e Chloe Moretz por causa da foto nua postada, veio uma turma defender a
Kardashian. Uma turma de peso com nomes como Miley Cyrus, Bella Thorne e Demi
Lovato, mulheres que também recebem críticas por saírem fora da caixinha
sexista em que foram colocadas desde que o mundo é mundo. 
Batemos na tecla a placa da
auto-confiança e da autoestima, mas sei que não é fácil mantê-las em alta em
meio a tantas críticas. Mas a gente precisa, sim, ser forte e apoiar quem não
tem problema em amar o próprio corpo e mostrá-lo por aí. E não me venham, nunca, nos
culpar por isso. E, pior, nada de falar por aí que o assédio acontece porque a
mulher mostra o corpo, ok? 
A ideia de ser recatada não é algo que você, na
maioria das vezes, adotou por achar certo. Isso é algo implementado por uma
sociedade sexista. E a gente precisa deixar isso cair por terra. Se você quer
mostrar o seu corpo, mostre à vontade. Se não quer, não se force a isso e nem
deixe ninguém forçá-la. Deixe a gente ser sexy e mostrar o nosso corpo por aí. Deixa a gente cobrí-lo também. Deixa a gente fazer o que quisermos. A frase é velha,
mas eficaz, portanto, MEU CORPO, MINHAS REGRAS. E ao invés de criticar quem a
pratica, vamos parar e pensar o porquê de não praticarmos também.

Karla Lopes

Karla Lopes tem 29 anos, é de Belo Horizonte, empresária, jornalista e criadora de conteúdo atuando há 12 anos na internet. Além disso, é a criadora da Lunnare Co., marca de autocuidado holístico que trabalha a magia das ervas. Por aqui, vocês vão encontrar conteúdos autorais de comportamento, bem estar, espiritualidade e beleza. Tem experiência com comunicação criativa, textos de comportamento, produção de moda e cultura e também criação e edição de vídeos para a web.

«

»

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *