Pesquise aqui...
TOP
Uncategorized

O que fazem com os seus sonhos?

Pensa rapidinho aí para mim: em média, quantos sonhos você já teve na vida? Deste número, quantos foram realizados? E mais, do monte, quantos foram desacreditados pelos outros? Aposto que o número é razoavelmente grande, né? Eu sei, nas minhas contas, o resultado foi alto. Cansada de ir contar um plano para alguém, uma ideia de vida, algo que eu quero muito, e tal pessoa falar para eu desistir porque não vai dar certo. Muitas vezes a pessoa não fala por mal, mas, de certa forma, a gente acaba desistindo de tal sonho porque alguém acha que ele não deve ser levado à sério. 
Por que incomoda tanto sonhar alto? Por que incomoda tanto ter um plano que vai além, que é ousado ou arriscado? No campo profissional, principalmente, vejo muito isso. Basta tentar pensar um pouco fora da caixinha que alguém vai tacar uma pedra, tentar cortar a sua asa e dizer que, por exemplo, você não pode abrir o seu próprio negócio porque as chances de dar tudo errado são enormes. Que é preferível você se virar com o que tem aí, parar de inventar moda e ser mais um na multidão. Talvez não nessas palavras, mas a ideia é essa, vocês sabem.
Eu tenho três teorias sobre essas pessoas: elas são pessimistas em relação a si mesmas e acham que estão ajudando ao contaminar uma mente otimista com essa energia toda; elas têm medo de arriscar, de sair da zona de conforto, e se assustam quando alguém faz isso; elas têm medo que as coisas dêem certo e, no final, você acabe tendo uma vida melhor que a delas. Acredito nas três opções e tenho pessoas do meu convívio que se encaixam em cada uma delas.
Talvez por isso que minha mãe sempre me falava para não sair contando aos quatro ventos os planos que eu tenho para a minha vida. Eu tenho essa mania mesmo. Gosto de compartilhar minha ideias às vezes até com simples conhecidos, simplesmente porque estou empolgada demais e cheia de vontade de fazer as coisas acontecerem. Silly me! É cada balde de água de fria… E quando isso vem de amigos então? Nossa! Eu fico triste, até uma pouco desanimada, mas aí lembro que não posso deixar os outros interferirem nos meus sonhos, podar os meus galhos. Aprendi nos últimos meses na marra que, quanto mais caladinha eu ficar, melhor. Parece que as coisas fluem, sabe? Trabalho nos meus sonhos comigo mesma e só! Quando dão certo, até os pessimistas dão os parabéns – alguns nem falam nada, e esses se encaixam muito bem no terceiro tipo de pessoa que citei no parágrafo acima. Tive um exemplo concreto disso há uma semana, inclusive!
Conselhos são sempre bem vindos, é claro. Mas não é chato quando alguém é claramente negativo em relação a vida e quer contaminar os outros com isso? Que perspectiva  uma pessoa que não sai do lugar pode ter? Hoje em dia a gente tenta oportunidade de sermos mais do que somos, né? É errado agarrar todas elas? É errado ter ambição? Querer mudar de área, criar o próprio emprego, ir além do que está disponível aí? Sinceramente, acho que não… A chance de tudo dar errado sempre existe, assim como a de dar tudo certo. 
Sonho, desejo, vontade, ambição, planos, nem sempre pagam as contas, nem sempre enchem a barriga, mas você acha que isso é impedimento? Eu acho que não porque, né, não sonhar também não vai te levar à lugar nenhum. Muito pelo contrário: vai fazer com que você viva uma vida pessimista, que contamina os outros e que, no fundo, fundo, vai te fazer infeliz. Viver sem ambição é uma infelicidade. Prefiro seguir os meus sonhos e correr riscos que ficar estática esperando a vida passar. 

Karla Lopes

Karla Lopes tem 29 anos, é de Belo Horizonte, empresária, jornalista e criadora de conteúdo atuando há 12 anos na internet. Além disso, é a criadora da Lunnare Co., marca de autocuidado holístico que trabalha a magia das ervas. Por aqui, vocês vão encontrar conteúdos autorais de comportamento, bem estar, espiritualidade e beleza. Tem experiência com comunicação criativa, textos de comportamento, produção de moda e cultura e também criação e edição de vídeos para a web.

«

»

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *