Pesquise aqui...
TOP
Uncategorized

Cineminha: A Hospedeira

Demorei, mas finalmente assisti o filme “A Hospedeira”, que é a adaptação do livro de mesmo nome da autora Stephenie Meyer. Já fiz resenha do livro aqui no blog e contei para vocês que o início da história é arrastado e maçante, te faz ter vontade de desistir, mas, o desenrolar e encerramento da trama encobrem o tédio do começo. Terminei de assistir o filme e fiquei feliz por eles terem feito uma adaptação tão amarradinha, bem construída e nada chata. Muito pelo contrário!
Sinopse: A fome e a violência foram erradicadas da Terra, bem como os problemas climáticos do planeta foram resolvidos. Estes feitos foram conquistados graças aos seres alienígenas conhecidos como almas, que ocupam corpos humanos como se fossem parasitas. Pregando uma sociedade baseada na paz, as almas perseguem os poucos humanos que ainda não foram dominados. Um deles é Melanie Stryder (Saoirse Ronan), que se sacrifica para que o irmão caçula, Jamie (Chandler Canterbury), possa escapar. Melanie passa a ser dominada por uma alma chamada Peregrina, que tem por missão vasculhar suas memórias para encontrar rastros de outros humanos. Entretanto, a consciência de Melanie ainda está viva dentro do corpo, o que faz com que Peregrina tenha que lidar com ela constantemente. Com o tempo, a alma fica cada vez mais fascinada com a vida e os sentimentos que Melanie tinha e passa a protegê-la de Buscadora (Diane Kruger), que deseja capturar seus amigos humanos o quanto antes.

A gente, que lê muito e sempre se decepciona com as mudanças nas adaptações do papel para a tela do cinema, já está calejado. Confesso que fiquei com muito medo deles acabarem com a “mágica” de A Hospedeira. Apesar de ter romance na trama, ele não é o grande foco. Para mim, o universo criado por Stephenie Meyer fala de amor ao próximo e aceitação. 
Amei os atores escolhidos, a atuação deles e gostei que, mesmo tendo algumas coisas alteradas, a história não perdeu sua essência, continuou transmitindo a mensagem importante que carrega. O filme, é claro, não é algo que vai mudar/marcar sua vida, mas é muito bom e bem feito. Assisti numa tarde chuvosa e, ao terminar, senti que fiz a escolha perfeita para o meu final de semana.
Recomendo pra caramba não só o filme, como também a leitura do livro. Digo e repito porque sei que é fácil desistir dele no início, mas, não façam isso. A Hospedeira tem uma história linda que deve sim ter a chance de ser conhecida.. 😉
Imagens: Divulgação/Reprodução
TAGS:

Karla Lopes

Karla Lopes tem 29 anos, é de Belo Horizonte, empresária, jornalista e criadora de conteúdo atuando há 12 anos na internet. Além disso, é a criadora da Lunnare Co., marca de autocuidado holístico que trabalha a magia das ervas. Por aqui, vocês vão encontrar conteúdos autorais de comportamento, bem estar, espiritualidade e beleza. Tem experiência com comunicação criativa, textos de comportamento, produção de moda e cultura e também criação e edição de vídeos para a web.

«

»

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *